Justificado pela Graça Somente

moses“Não digas no teu coração, dizendo: Por causa da minha justiça”. (Deuteronômio 9.4)

Frequentemente, cristãos modernos citam textos fora de contexto para defender a ideia que não temos mais a obrigação de cumprir a Lei. Um dos livros mais citados para este fim é a carta de Paulo aos Gálatas:

“Cristo nos resgatou da maldição da Lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”. (Gálatas 3.13)

“Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela Lei; da graça tendes caído”. (Gálatas 5.4)

As pessoas interpretam erradamente versos como este por não entenderem adequadamente a diferença entre justificação e santificação. Ser justificado significa simplesmente ser reconhecido como justo. Se a Lei de Deus é o padrão que define o bem, segue-se que o homem, sendo pecador, não pode ser reconhecido como justo diante de Deus com base na sua obediência a Lei. Se o homem é pecador, ele está sempre abaixo do padrão exigido. A noção da Lei como padrão pra distinguir o bem do mal foi claramente ensinada pelo Apóstolo Paulo: “eu não conheci o pecado senão pela Lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a Lei não dissesse: Não cobiçarás”. (Rm 7.7) E também: “o que vem pela Lei é o pleno conhecimento do pecado”. (Rm 3.20) O Apóstolo João ensinou o mesmo: “o pecado é a transgressão da Lei”. (I João 3.4) A Lei nos revela o que é justo e o que é injusto, o que é certo e o que é errado, o que é o bem e o que é o mal, o que é pecado e o que não é. Quando a Lei diz “não cobiçarás”, está revelando que a concupiscência é imoral. O mesmo é válido para todo o resto. Sendo assim, o homem, como pecador, é condenado pela Lei e não pode ser justificado por sua obediência ao que ela diz. “E assim a Lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom… Porque bem sabemos que a Lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado. Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço”.(Rm 7.12,14-16) Como está escrito também:

“Ora, nós sabemos que tudo o que a Lei diz, aos que estão debaixo da Lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus. Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da Lei, porque pela Lei vem o conhecimento do pecado. Mas agora se manifestou sem a Lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da Lei e dos profetas; Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus”. (Romanos 3.19-24)

Apesar de sermos pecadores e transgressores da Lei, Jesus cumpriu a Lei perfeitamente por nós e foi sacrificado em nosso lugar e, com base nisso, a justiça dele é imputada sobre nós e somos justificados gratuitamente por meio da fé. Este é o sentido do texto de Gálatas que diz:

“Cristo nos resgatou da maldição da Lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”. (Gálatas 3.13)

Este texto não está atacando a necessidade de obedecer a Lei de Deus. Pelo contrário, o texto pressupõe que o homem tem a obrigação de obedecer e é justamente por ter essa obrigação e não cumprir, que ele está de baixo da maldição. A maldição é simplesmente a condenação por ser um pecador. Cristo nos salvou dessa condenação ao ser condenado em nosso lugar no madeiro. Isso é justificação. Mas será que tendo sido justificado gratuitamente por Deus, sem as obras da Lei, nós temos a autorização para viver de qualquer maneira na libertinagem e no pecado? É claro que não. Tendo sido justificado gratuitamente, fomos salvos da ira de Deus por transgredir Sua Lei, mas não fomos libertos da obrigação de obedecer Sua Lei, ainda que transgredí-la não poderá mais nos trazer condenação. Como está escrito:

“Eis que os dias vêm, diz o Senhor, em que farei um Novo Pacto… não conforme o pacto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito, esse meu Pacto que eles invalidaram, apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor. Mas este é o Pacto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha Lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo”. (Jeremias 31.31-33)

“Então aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias, e de todos os vossos ídolos, vos purificarei. Também vos darei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. Ainda porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis as minhas ordenanças, e as observeis“. (Ezequiel 36.25-27)

“Anulamos, pois, a lei pela fé? De modo nenhum; antes estabelecemos a Lei“. (Romanos 3:19-25,31)

“Porquanto o que era impossível à Lei, visto que se achava fraca pela carne, Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança da carne do pecado, e por causa do pecado, na carne condenou o pecado, para que a justa exigência da Lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito”. (Romanos 8.3-4)

“Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor. Porque toda a Lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede não vos consumais também uns aos outros. Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne“. (Gálatas 5.13-16)

Apesar do homem não ter em si mesmo a capacidade de obedecer a Lei de Deus, ele é justificado gratuitamente por Jesus Cristo em meio a rebelião e é capacitado a obedecer pelo Espírito Santo. Essa capacidade não vem da própria Lei nem do próprio homem, mas vem do Espírito de Cristo.

Mas quantos de nós não somos instruídos a pensar que a Lei de Deus revelada no Antigo Testamento foi abolida por Jesus Cristo? Alguns até chamam de fariseus aqueles que pensam o contrário. Mas, como foi demonstrado aqui, a rejeição da Lei de Deus revelada no Antigo Testamento era a essência do farisaísmo.

Anúncios

1 opinião sobre “Justificado pela Graça Somente”

  1. Disse João: Filhinhos eu vos escrevo para que não pequeis, porém se pecares, há um Advogado junto ao Pai: Jesus Cristo, O Justo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s