black infant baptismOS NEGROS SÃO AMALDIÇOADOS EM CÃO?
Por Frank Brito

“E os filhos de Noé, que da arca saíram, foram Sem, Cão e Jafé; e Cão é o pai de Canaã. Estes três foram os filhos de Noé; e destes se povoou toda a terra. E começou Noé a ser lavrador da terra, e plantou uma vinha. E bebeu do vinho, e embebedou-se; e descobriu-se no meio de sua tenda. E viu Cão, o pai de Canaã, a nudez do seu pai, e fê-lo saber a ambos seus irmãos no lado de fora. Então tomaram Sem e Jafé uma capa, e puseram-na sobre ambos os seus ombros, e indo virados para trás, cobriram a nudez do seu pai, e os seus rostos estavam virados, de maneira que não viram a nudez do seu pai. E despertou Noé do seu vinho, e soube o que seu filho menor lhe fizera. E disse: Maldito seja Canaã; servo dos servos seja aos seus irmãos”. (Gênesis 9:18-25)

Ano passado o deputado Marco Feliciano foi criticado nacionalmente por declarar que, biblicamente, os africanos estão sob a maldição de Cão. Algumas pessoas me perguntaram sobre isso recentemente, então, deixando de lado as polêmicas políticas, vamos responder a essa questão.

A ORIGEM DAS NAÇÕES

Inicialmente, o mundo não era dividido em nações. O livro de Gênesis nos informa que muito tempo depois do Dilúvio “toda a terra de uma mesma língua e de uma mesma fala” (Gn 11:1) e que eles eram suficientemente unidos e organizados para que migrassem juntos para “um vale na terra de Sinar”. (Gn 11:2) A divisão veio como um juízo da parte de Deus: “E o SENHOR disse: Eis que o povo é um, e todos têm uma mesma língua; e isto é o que começam a fazer; e agora, não haverá restrição para tudo o que eles intentarem fazer. Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro”. (Gn 11:6-7) Todas as nações que agora existem vieram das famílias de Sem, Cão e Jafé (Gn 10), o que inclui os povos africanos. Gênesis 10 lista os povos que originalmente se formaram a partir das famílias destes três.

A MALDIÇÃO DE NOÉ

É importante observar que a maldição de Noé não foi lançada contra toda a descendência de Cão, mas somente contra uma descendência específica, os descendentes de Canaã, que era somente um dos filhos de Cão. A narrativa de Gênesis 9 é muito enfática sobre isso:

“E começou Noé a ser lavrador da terra, e plantou uma vinha. E bebeu do vinho, e embebedou-se; e descobriu-se no meio de sua tenda. E viu Cão, o pai de Canaã, a nudez do seu pai, e fê-lo saber a ambos seus irmãos no lado de fora. Então tomaram Sem e Jafé uma capa, e puseram-na sobre ambos os seus ombros, e indo virados para trás, cobriram a nudez do seu pai, e os seus rostos estavam virados, de maneira que não viram a nudez do seu pai. E despertou Noé do seu vinho, e soube o que seu filho menor lhe fizera. E disse: Maldito seja Canaã; servo dos servos seja aos seus irmãos. E disse: Bendito seja o SENHOR Deus de Sem; e seja-lhe Canaã por servo. Alargue Deus a Jafé, e habite nas tendas de Sem; e seja-lhe Canaã por servo”. (Gênesis 9:20-27)

Apesar do pecado ter sido praticado por Cão, a maldição lançada é é especificamente contra Canaã, que a narrativa é muito enfática em identificar como sendo seu filho. Como o capítulo seguinte esclarece, Canaã era somente um dos filhos de Canaã e, sendo assim, a maldição não foi contra toda a descendência de Cão, mas somente contra a descendência que veio por meio de Canaã:

E os filhos de Cão são: Cuxe, Mizraim, Pute e Canaã. E os filhos de Cuxe são: Sebá, Havilá, Sabtá, Raamá e Sabtecá; e os filhos de Raamá: Sebá e Dedã. E Cuxe gerou a Ninrode; este começou a ser poderoso na terra. E este foi poderoso caçador diante da face do SENHOR; por isso se diz: Como Ninrode, poderoso caçador diante do SENHOR. E o princípio do seu reino foi Babel, Ereque, Acade e Calné, na terra de Sinar. Desta mesma terra saiu à Assíria e edificou a Nínive, Reobote-Ir, Calá, E Resen, entre Nínive e Calá (esta é a grande cidade). E Mizraim gerou a Ludim, a Anamim, a Leabim, a Naftuim, A Patrusim e a Casluim (donde saíram os filisteus) e a Caftorim. E Canaã gerou a Sidom, seu primogênito, e a Hete; e ao jebuseu, ao amorreu, ao girgaseu, E ao heveu, ao arqueu, ao sineu, e ao arvadeu, ao zemareu, e ao hamateu, e depois se espalharam as famílias dos cananeus. E foi o termo dos cananeus desde Sidom, indo para Gerar, até Gaza; indo para Sodoma e Gomorra, Admá e Zeboim, até Lasa. Estes são os filhos de Cão segundo as suas famílias, segundo as suas línguas, em suas terras, em suas nações“. (Gênesis 10:6-20)

Aqui vemos, então, que diversos povos vieram de Cão, mas, conforme Gênesis 9, devemos entender que somente os que vieram de descendência de Canaã é que estariam de baixo da maldição especial de Noé e que os demais não estariam. A Assíria, por exemplo, que posteriormente se tornaria o poderoso Império Assírio, cuja capital seria Nínive, onde Jonas pregou, não estaria sob a maldição de Noé, pois não vieram de Canaã. Além disso, Mizraim refere-se à origem do Egito, que também se tornou um grande Império mundial, como a mesma palavra é traduzida no resto do livro de Gênesis:

“E havia fome naquela terra; e desceu Abrão ao Egito (מצרים – mizraim), para peregrinar ali, porquanto a fome era grande na terra”. (Gênesis 12:10)

“Subiu, pois, Abrão do Egito (מצרים – mizraim) para o lado do sul, ele e sua mulher, e tudo o que tinha, e com ele Ló”. (Gênesis 13:1)

A TERRA PROMETIDA

Tendo identificado que a maldição de Noé foi especificamente contra a descendência de Canaã, fica claro a maneira com que essa maldição se cumpriu historicamente:

“A ti te foi mostrado para que soubesses que o SENHOR é Deus; nenhum outro há senão ele. Desde os céus te fez ouvir a sua voz, para te ensinar, e sobre a terra te mostrou o seu grande fogo, e ouviste as suas palavras do meio do fogo. E, porquanto amou teus pais, e escolheu a sua descendência depois deles, te tirou do Egito diante de si, com a sua grande força. Para lançar fora de diante de ti nações maiores e mais poderosas do que tu, para te introduzir e te dar a sua terra por herança, como neste dia se vê. Por isso hoje saberás, e refletirás no teu coração, que só o SENHOR é Deus, em cima no céu e em baixo na terra; nenhum outro há. E guardarás os seus estatutos e os seus mandamentos, que te ordeno hoje para que te vá bem a ti, e a teus filhos depois de ti, e para que prolongues os dias na terra que o SENHOR teu Deus te dá para todo o sempre”. (Deuteronômio 4:35-40)

Que nações eram essas?

“Quando o SENHOR teu Deus te houver introduzido na terra, à qual vais para a possuir, e tiver lançado fora muitas nações de diante de ti, os heteus, e os girgaseus, e os amorreus, e os cananeus, e os perizeus, e os heveus, e os jebuseus, sete nações mais numerosas e mais poderosas do que tu; e o SENHOR teu Deus as tiver dado diante de ti, para as ferir, totalmente as destruirás; não farás com elas aliança, nem terás piedade delas; Nem te aparentarás com elas; não darás tuas filhas a seus filhos, e não tomarás suas filhas para teus filhos; Pois fariam desviar teus filhos de mim, para que servissem a outros deuses; e a ira do SENHOR se acenderia contra vós, e depressa vos consumiria. Porém assim lhes fareis: Derrubareis os seus altares, quebrareis as suas estátuas; e cortareis os seus bosques, e queimareis a fogo as suas imagens de escultura. Porque povo santo és ao SENHOR teu Deus; o SENHOR teu Deus te escolheu, para que lhe fosses o seu povo especial, de todos os povos que há sobre a terra. O SENHOR não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos, pois vós éreis menos em número do que todos os povos; Mas, porque o SENHOR vos amava, e para guardar o juramento que fizera a vossos pais, o SENHOR vos tirou com mão forte e vos resgatou da casa da servidão, da mão de Faraó, rei do Egito”. (Deuteronômio 7:1-8)

Os povos citados aí são exatamente os povos que vieram de Canaã, como já vimos:

“E Canaã gerou a Sidom, seu primogênito, e a Hete; e ao jebuseu, ao amorreu, ao girgaseu, E ao heveu, ao arqueu, ao sineu, E ao arvadeu, ao zemareu, e ao hamateu, e depois se espalharam as famílias dos cananeus. E foi o termo dos cananeus desde Sidom, indo para Gerar, até Gaza; indo para Sodoma e Gomorra, Admá e Zeboim, até Lasa. Estes são os filhos de Cão segundo as suas famílias, segundo as suas línguas, em suas terras, em suas nações“. (Gênesis 10:15-20)

A Bíblia deixa claro, então, que a maldição de Noé contra Canaã se cumpriu quando Deus ordenou que estes povos, descendentes de Canaã, fossem totalmente destruídos por Israel, que era descendente de Sem (Gn 11:11-26).

MALDIÇÃO INTER-GERACIONAL

A maldição sobre os filhos de Canaã nos leva à questão da possibilidade de maldições inter-geracionais, sendo transmitidas de geração em geração, contra toda uma família, povo e nação. Isso foi algo único na descendência de Canaã ou é um princípio geral que se aplica a qualquer povo? O segundo mandamento do Decálogo deixa claro que se aplica à outros povos também:

“Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos”. (Êxodo 20:5-6)

A Lei reafirma o mesmo diversas outras vezes:

“”Passando, pois, o SENHOR perante ele, clamou: O SENHOR, o SENHOR Deus, misericordioso e piedoso, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade; Que guarda a beneficência em milhares; que perdoa a iniqüidade, e a transgressão e o pecado; que ao culpado não tem por inocente; que visita a iniqüidade dos pais sobre os filhos e sobre os filhos dos filhos até à terceira e quarta geração“. (Êxodo 34:6-7)

“O SENHOR é longânimo, e grande em misericórdia, que perdoa a iniqüidade e a transgressão, que o culpado não tem por inocente, e visita a iniqüidade dos pais sobre os filhos até à terceira e quarta geração“. (Números 14:18)

João Calvino comentou com muita clareza sobre isso:

“Impõe-se ver o que Deus quer dizer na ameaça, quando ensina que haverá de ‘visitar a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração’. Ora, além de ser estranho à eqüidade da justiça divina infligir sobre o inocente o castigo de falta alheia, também Deus mesmo afirma que não consentirá que o filho leve a iniqüidade do pai [Ez 18.20]. E, contudo, esta cláusula não se repete uma vez só, ou, seja, de serem os castigos de faltas avoengas distendidas às gerações futuras. Pois, freqüentemente, Moisés assim lhe dirige a palavra: ‘Senhor, Senhor, que lanças a iniqüidade dos pais aos filhos até a terceira e quarta geração’ [Ex 34.6, 7; Nm 14.18]. De igual modo, Jeremias [32.18]: ‘Tu que usas de misericórdia com milhares, que retribuis a iniqüidade dos pais ao seio dos filhos depois deles.’ Alguns, enquanto penosamente suam em solver este problema, pensam que se deva entender isto apenas de castigos temporais, os quais, se os filhos os mantêm em razão das faltas dos pais, não é absurdo, uma vez que não raro se lhes infligem para a salvação. O que, de fato, é verdadeiro, pois Isaías [39.7] anunciava a Ezequias que seus filhos haveriam de ser despojados do reino e deportados para o exílio, por causa de pecado por ele cometido. As casas de faraó e de Abimeleque são afligidas por causa do agravo feito a Abraão [Gn 12.17; 20.3, 18] – quando, porém, se aplica isto à solução desta questão, é antes subterfúgio do que verdadeira explicação. Ora, aqui e em passagens semelhantes, estabelece ele punição mais pesada do que se pode fixar dentro dos termos da vida presente. Portanto, assim se deve admitir: que a justa maldição do Senhor pesa não apenas sobre a cabeça do ímpio, mas também sobre toda sua família. Onde esta maldição pesou, que se pode esperar, senão que o pai, destituído do Espírito de Deus, vive mui abominavelmente, e o filho, semelhantemente abandonado pelo Senhor por causa da iniqüidade do pai, segue o mesmo caminho de perdição? Finalmente, o neto e o bisneto, execrável semente de homens abomináveis, após eles se lancem em precipícios? Verifiquemos, em primeiro lugar, se vingança como essa não se coaduna com a justiça divina. Se a natureza inteira de homens a quem o Senhor não faz dignos da comunicação de sua graça é condenável, a esses sabemos estar preparada a perdição, contudo perecem por sua própria iniqüidade, não por ódio iníquo de Deus. Nem lhes é deixada qualquer desculpa por que à salvação não são ajudados pela graça de Deus a exemplo de outros. Portanto, uma vez que esta punição é aplicada aos ímpios e depravados em vista de suas abominações, assim que suas casas sejam privadas da graça de Deus por muitas gerações, quem haja de intentar incriminação a Deus por causa desta justíssima represália? Mas, sentencia o Senhor, em contraposição, que a pena do pecado paterno não haverá de passar-se ao filho [Ez 18.20]. Observa o de que aqui se trata: os israelitas, como fossem, por longo tempo e persistentemente, acometidos de muitas calamidades, começaram a reiterar o provérbio de que seus pais haviam comido uva verde, embotando assim os dentes dos filhos [Ez 18.2], querendo dizer com isso que, uma vez que seus pais tinham cometido os pecados cujas punições eles, de outra sorte justos e inculpados, tinham de sofrer, mais pela implacável ira de Deus do que por sua moderada severidade. O Profeta, porém, lhes proclama não ser assim, já que são castigados em virtude de suas próprias transgressões, nem se coaduna com a justiça de Deus que um filho justo sofra penalidade em função da maldade de um pai depravado, o que nem se contém no presente dispositivo do mandamento em consideração. Ora, se a visitação acerca da qual aqui se discute se consuma quando o Senhor detrai da família dos ímpios a graça, a luz de sua verdade e os demais recursos que assistem à salvação, nisto mesmo, que dele cegados e abandonados seguem os filhos nas pegadas dos pais, estão a sofrer as maldições divinas em virtude dos delitos paternos. Que, porém, são sujeitos não só às misérias temporais, mas ainda, por fim, à perdição eterna, são por isso punidos pelo justo juízo de Deus, não em razão de pecados alheios, mas em conseqüência da iniqüidade pessoal“. (João Calvino, Institutas da Religião Cristã, Livro II, Capítulo VIII)

Ou seja, os castigos inter-geracionais não ocorrem como se as gerações posteriores fossem inocentes, mas que, ainda assim, Deus aplicará a ira por conta dos pecados dos pais. Os castigos inter-geracionais ocorrem porque os filhos dão continuidade a iniquidade dos pais e, sendo assim, os pecados dos pais sendo castigados também são seus próprios pecados e, com base nisso, são justamente castigados. Essa é a ideia das palavras no próprio Decálogo: “visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam” (Ex 20:5). A ideia é que a iniquidade dos pais está presente também nos filhos e por isso a justa vingança de Deus vem por eles. O próprio caso dos filhos de Canaã ilustra isso bem. Em Levítico Deus explica porque Ele queria destruir os descendentes de Canaã:

“Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne, para descobrir a sua nudez. Eu sou o SENHOR. Não descobrirás a nudez de teu pai e de tua mãe: ela é tua mãe; não descobrirás a sua nudez. Não descobrirás a nudez da mulher de teu pai; é nudez de teu pai. A nudez da tua irmã, filha de teu pai, ou filha de tua mãe, nascida em casa, ou fora de casa, a sua nudez não descobrirás. A nudez da filha do teu filho, ou da filha de tua filha, a sua nudez não descobrirás; porque é tua nudez. A nudez da filha da mulher de teu pai, gerada de teu pai (ela é tua irmã), a sua nudez não descobrirás. A nudez da irmã de teu pai não descobrirás; ela é parenta de teu pai. A nudez da irmã de tua mãe não descobrirás; pois ela é parenta de tua mãe. A nudez do irmão de teu pai não descobrirás; não te chegarás à sua mulher; ela é tua tia. A nudez de tua nora não descobrirás: ela é mulher de teu filho; não descobrirás a sua nudez. A nudez da mulher de teu irmão não descobrirás; é a nudez de teu irmão. A nudez de uma mulher e de sua filha não descobrirás; não tomarás a filha de seu filho, nem a filha de sua filha, para descobrir a sua nudez; parentas são; maldade é… Com nenhuma destas coisas vos contamineis; porque com todas estas coisas se contaminaram as nações que eu expulso de diante de vós. Por isso a terra está contaminada; e eu visito a sua iniquidade, e a terra vomita os seus moradores. Porém vós guardareis os meus estatutos e os meus juízos, e nenhuma destas abominações fareis, nem o natural, nem o estrangeiro que peregrina entre vós; Porque todas estas abominações fizeram os homens desta terra, que nela estavam antes de vós; e a terra foi contaminada. Para que a terra não vos vomite, havendo-a contaminado, como vomitou a nação que nela estava antes de vós. Porém, qualquer que fizer alguma destas abominações, sim, aqueles que as fizerem serão extirpados do seu povo. Portanto guardareis o meu mandamento, não fazendo nenhuma das práticas abomináveis que se fizeram antes de vós, e não vos contamineis com elas. Eu sou o SENHOR vosso Deus”. (Levítico 18:6-17,24-30)

E também:

E guardai os meus estatutos, e cumpri-os. Eu sou o SENHOR que vos santifica. Quando um homem amaldiçoar a seu pai ou a sua mãe, certamente morrerá; amaldiçoou a seu pai ou a sua mãe; o seu sangue será sobre ele. Também o homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera. E o homem que se deitar com a mulher de seu pai descobriu a nudez de seu pai; ambos certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles. Semelhantemente, quando um homem se deitar com a sua nora, ambos certamente morrerão; fizeram confusão; o seu sangue será sobre eles. Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles. E, quando um homem tomar uma mulher e a sua mãe, maldade é; a ele e a elas queimarão com fogo, para que não haja maldade no meio de vós. Quando também um homem se deitar com um animal, certamente morrerá; e matareis o animal. Também a mulher que se chegar a algum animal, para ajuntar-se com ele, aquela mulher matarás bem assim como o animal; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles. E, quando um homem tomar a sua irmã, filha de seu pai, ou filha de sua mãe, e vir a nudez dela, e ela a sua, torpeza é; portanto serão extirpados aos olhos dos filhos do seu povo; descobriu a nudez de sua irmã, levará sobre si a sua iniqüidade. E, quando um homem se deitar com uma mulher no tempo da sua enfermidade, e descobrir a sua nudez, descobrindo a sua fonte, e ela descobrir a fonte do seu sangue, ambos serão extirpados do meio do seu povo. Também a nudez da irmã de tua mãe, ou da irmã de teu pai não descobrirás; porquanto descobriu a sua parenta, sobre si levarão a sua iniqüidade. Quando também um homem se deitar com a sua tia descobriu a nudez de seu tio; seu pecado sobre si levarão; sem filhos morrerão. E quando um homem tomar a mulher de seu irmão, imundícia é; a nudez de seu irmão descobriu; sem filhos ficarão. Guardai, pois, todos os meus estatutos, e todos os meus juízos, e cumpri-os, para que não vos vomite a terra, para a qual eu vos levo para habitar nela. E não andeis nos costumes das nações que eu expulso de diante de vós, porque fizeram todas estas coisas; portanto fui enfadado deles“.(Levítico 20:8-23)

Então aqui nós vemos que a civilização dos filhos de Canaã estavam afundados especialmente na promiscuidade sexual, o que incluía o mais baixo nível de incesto e era por isso que Deus queria destruí-los todos da face da terra. Em meio a tudo isso, devemos observar atentamente que um dos pecados listados era o seguinte: “Não descobrirás a nudez de teu pai” (Lv 18:6). Foi exatamente esse pecado que havia motivado a maldição de Noé:

Viu Cão, o pai de Canaã, a nudez do seu pai” (Gen 9:22).

Então, como João Calvino corretamente explicou, “são por isso punidos pelo justo juízo de Deus, não em razão de pecados alheios, mas em conseqüência da iniqüidade pessoal“. “Porque fizeram todas estas coisas; portanto fui enfadado deles”.(Levítico 20:23) O fator inter-geracional foi que os filhos de Canaã especificamente deram continuidade e desenvolveram a iniquidade de Cão e, sendo assim, eles foram justamente vingados por Deus pela iniquidade do pai, que havia frutificado neles. E, como a maldição foi direcionada especificamente contra a descendência de Canaã e não contra os seus outros filhos, devemos concluir que o mesmo tipo de pecado, a decadência moral de tolerar até mesmo o incesto, não foi culturalmente perpetuado pelos povos que vieram dos seus outros filhos.

ENCHEI A MEDIDA DE VOSSOS PAIS

Jesus aplicou o mesmo princípio, de maldições inter-geracionais, contra os judeus de seu tempo:

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que edificais os sepulcros dos profetas e adornais os monumentos dos justos, E dizeis: Se existíssemos no tempo de nossos pais, nunca nos associaríamos com eles para derramar o sangue dos profetas. Assim, vós mesmos testificais que sois filhos dos que mataram os profetas. Enchei vós, pois, a medida de vossos pais. Serpentes, raça de víboras! como escapareis da condenação do inferno? Portanto, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas; a uns deles matareis e crucificareis; e a outros deles açoitareis nas vossas sinagogas e os perseguireis de cidade em cidade; Para que sobre vós caia todo o sangue justo, que foi derramado sobre a terra, desde o sangue de Abel, o justo, até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, que matastes entre o santuário e o altar. Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre esta geração. Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste! Eis que a vossa casa vai ficar-vos deserta; Porque eu vos digo que desde agora me não vereis mais, até que digais: Bendito o que vem em nome do Senhor”. (Mateus 23:29-39)

Aqui nós vemos que os judeus seriam castigados pelos pecados de seus antepassados: “Enchei, vós, pois a medida de vossos pais“. Mas isso não aconteceria como se aquela geração fosse inocentes. Os castigos inter-geracionais ocorrem porque os filhos dão continuidade a iniquidade dos pais e, sendo assim, os pecados dos pais sendo castigados também são seus próprios pecados e, com base nisso, são justamente castigados. Os judeus daquela geração, perseguiriam os apóstolos, como seus antepassados haviam perseguidos os profetas. Por isso Deus, em Sua justiça, visitaria a iniquidade dos pais nos filhos. Em outra ocasião, Jesus deixou claro que, se eles não dessem continuidade a isso, eles não receberiam a vingança de Deus:

“E, quando ia chegando, vendo a cidade, chorou sobre ela, Dizendo: Ah! se tu conhecesses também, ao menos neste teu dia, o que à tua paz pertence! Mas agora isto está encoberto aos teus olhos. Porque dias virão sobre ti, em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te estreitarão de todos os lados; E te derrubarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, pois que não conheceste o tempo da tua visitação“. (Lucas 19:41-44)

Isso nos ensina que as maldições inter-geracionais não são, biblicamente, estritamente associadas à família, ao povo ou a raça, mas são associadas à transgressão moral perpetuada por determinadas famílias, povos e raças, de maneira que se aquela família, povo ou raça se arrepender de seus próprios pecados que começaram a ser cometidos pelos pais, não haverá mais iniquidade a ser visitada por Deus contra os filhos. Foi por isso que quando Daniel orou por Israel no cativeiro Babilônico, ele confessou até mesmo de seus antepassados:

“E orei ao SENHOR meu Deus, e confessei, e disse: Ah! Senhor! Deus grande e tremendo, que guardas a aliança e a misericórdia para com os que te amam e guardam os teus mandamentos; Pecamos, e cometemos iniqüidades, e procedemos impiamente, e fomos rebeldes, apartando-nos dos teus mandamentos e dos teus juízos; E não demos ouvidos aos teus servos, os profetas, que em teu nome falaram aos nossos reis, aos nossos príncipes, e a nossos pais, como também a todo o povo da terra. A ti, ó Senhor, pertence a justiça, mas a nós a confusão de rosto, como hoje se vê; aos homens de Judá, e aos moradores de Jerusalém, e a todo o Israel, aos de perto e aos de longe, em todas as terras por onde os tens lançado, por causa das suas rebeliões que cometeram contra ti. O Senhor, a nós pertence a confusão de rosto, aos nossos reis, aos nossos príncipes, e a nossos pais, porque pecamos contra ti. Ao Senhor, nosso Deus, pertencem a misericórdia, e o perdão; pois nos rebelamos contra ele, E não obedecemos à voz do SENHOR, nosso Deus, para andarmos nas suas leis, que nos deu por intermédio de seus servos, os profetas”. (Daniel 9:4-10)

Os pecados aqui listados e confessados eram os pecados que o povo havia cometido, de geração em geração, desde seus antepassados e por isso a ira de Deus havia caído contra aquela geração, levando-os para o cativeiro Babilônico. Daniel, então, confessou os pecados de seus pais que, de geração em geração, haviam rejeitado a Lei de Deus e voz dos profetas. Que tipo de pecados nós, como brasileiros, temos perpetuado, de geração em geração, desde nossos pais? Precisamos nos arrepender e confessar todos eles.

PORQUE FIZERAM TODAS ESTAS COISAS; PORTANTO FUI ENFADADO DELES

Porque as maldições inter-geracionais não são, biblicamente, estritamente associadas à família, ao povo ou a raça, mas são associadas à transgressão moral perpetuada por determinadas famílias, povos e raças, Deus avisou à Israel que se eles cometessem os mesmo pecados dos filhos da Canaã, eles receberiam a mesma maldição:

“Guardai, pois, todos os meus estatutos, e todos os meus juízos, e cumpri-os, para que não vos vomite a terra, para a qual eu vos levo para habitar nela. E não andeis nos costumes das nações que eu expulso de diante de vós, porque fizeram todas estas coisas; portanto fui enfadado deles”. (Levítico 20:22-23)

Ou seja, a destruição dos filhos de Canaã é posta como exemplo para outros povos, não para que outros povos se sintam superiores, mas para que temam a Deus, não fazendo o mesmo, para que não recebem a mesma maldição. Diversos outros povos são postos na Bíblia como exemplo:

“Porque se Deus não poupou a anjos quando pecaram, mas lançou-os no inferno, e os entregou aos abismos da escuridão, reservando-os para o juízo; se não poupou ao mundo antigo, embora preservasse a Noé, pregador da justiça, com mais sete pessoas, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios; se, reduzindo a cinza as cidades de Sodoma e Gomorra, condenou-as à destruição, havendo-as posto para exemplo aos que vivessem impiamente”. (II Pedro 2:4-6)

Sendo assim, se queremos encontrar hoje quais povos estão sob o mesmo tipo de maldição que os filhos de Canaã ou de outros povos amaldiçoados na Bíblia, como Sodoma e Gomorra, devemos procurar, não pela cor da pele, mas pelas transgressões semelhantes, pois são as transgressões que estabelecem a maldição. Diferente do que muitos pensam, Sodoma foi destruída por sua promiscuidade sexual, mas não somente por isso:

“Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que não fez Sodoma, tua irmã, nem ela, nem suas filhas, como fizeste tu e tuas filhas. Eis que esta foi a iniqüidade de Sodoma, tua irmã: Soberba, fartura de pão, e abundância de ociosidade teve ela e suas filhas; mas nunca fortaleceu a mão do pobre e do necessitado. E se ensoberbeceram, e fizeram abominações diante de mim; portanto, vendo eu isto as tirei dali“. (Ezequiel 16:48-50)

Aqui o profeta acusou os judeus de terem se tornado piores do que os sodomitas. Então se houvesse algum judeu para se gloriar de sua ascendência, que ele era filho de Sem ou de Abraão, o profeta estava lá para avisar que os seus pecados haviam se tornado piores do que os de Sodoma. Sodoma havia sido destruído por menos, quando comparados a eles. Jesus argumentou o mesmo no Evangelho:

“Ai de ti, Corazim! ai de ti, Betsaida! porque, se em Tiro e em Sidom fossem feitos os prodígios que em vós se fizeram, há muito que se teriam arrependido, com saco e com cinza. Por isso eu vos digo que haverá menos rigor para Tiro e Sidom, no dia do juízo, do que para vós. E tu, Cafarnaum, que te ergues até aos céus, serás abatida até aos infernos; porque, se em Sodoma tivessem sido feitos os prodígios que em ti se operaram, teria ela permanecido até hoje. Eu vos digo, porém, que haverá menos rigor para os de Sodoma, no dia do juízo, do que para ti“. (Mateus 11:21-24)

É importante observar que Jesus não menciona somente Sodoma, mas também Tiro e Sidom. Essas eram terras dos antigos filhos de Canaã:

“E foi o termo dos cananeus desde Sidom, indo para Gerar, até Gaza; indo para Sodoma e Gomorra, Admá e Zeboim, até Lasa”. (Gênesis 10:19)

Ou seja, os Israelitas, filhos de Sem, haviam se degenerado tanto que estavam piores dos que os filhos de Canaã. E, como Levítico 18 e 20 deixa claro, se eles fizessem isso, seriam amaldiçoados também.

Quanto a Sodoma, o profeta Ezequiel enfatiza o materialismo, a ociosidade e o descaso com os pobres: “Soberba, fartura de pão, e abundância de ociosidade teve ela e suas filhas; mas nunca fortaleceu a mão do pobre e do necessitado”. Como o Gênesis também mostra, Sodoma, por sua grande riqueza, era uma civilização extremamente bela, tão bela quanto o Jardim do Éden:

“E levantou Ló os seus olhos, e viu toda a campina do Jordão, que era toda bem regada, antes do SENHOR ter destruído Sodoma e Gomorra, e era como o jardim do SENHOR, como a terra do Egito, quando se entra em Zoar. Então Ló escolheu para si toda a campina do Jordão, e partiu Ló para o oriente, e apartaram-se um do outro”. (Gênesis 13:10-11)

Então, se queremos encontrar as nações que hoje que estão sob o mesmo tipo de maldição que Sodoma, devemos identificar quais são as nações que cometem os mesmos tipos de pecados, que por suas riquezas se tornaram materialista, ociosas, indiferentes com os pobres e sexualmente promíscuas. Quanto às grandes riquezas e materialismo, dificilmente isso pode ser dito sobre a maior parte dos negros da África. Mas o pacote todo se encaixa bem nos brancos ocidentais que, em suas apostasias contra o pacto do Senhor, têm frequentemente se tornado moralmente piores do que muitos africanos. Para começar, não são os negros africanos que tem empurrado a agenda homossexual sodomita a goela abaixo dos governos do mundo inteiro. Alias, enquanto muitas nações africanas corajosamente lutam contra o gayzismo, são covardemente perseguidos por nações de brancos ocidentais, como a Inglaterra, que ameaçam tirar-lhes a ajuda do pão. Também não são os negros africanos que tem enchido o mundo com seus filmes hollywoodianos que enchem salas de cinema com o materialismo, o ódio contra Deus e a promiscuidade sexual. Também não são negros africanos que enchem os computadores do mundo com pornografia em sites que, quase invariavelmente, incluem não só a homossexualidade, mas também o incesto e a bestialidade, coisas que os assemelham aos abomináveis filhos de Canaã, como Levítico 20 deixa claro. Quais nações estão na vanguarda de todas essas abominações, inclusive forçando outras a fazer o mesmo? E mais: que tipo de maldição devemos esperar para seus filhos? Deus salvou o Ocidente do paganismo no passado, mas “se andardes contrariamente para comigo, e não me quiserdes ouvir, trar-vos-ei pragas sete vezes mais, conforme os vossos pecados” (Lv 26:21), pois “para com Deus, não há acepção de pessoas. Porque todos os que sem Lei pecaram, sem Lei também perecerão; e todos os que sob a Lei pecaram, pela Lei serão julgados. Porque os que ouvem a Lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a Lei hão de ser justificados” (Romanos 2:11-13).

Então, se queremos encontrar as nações que hoje que estão sob o mesmo tipo de maldição que os cananeus, que os sodomitas, que os israelitas ou qualquer outro povo que foi amaldiçoado na Bíblia, temos que saber, em primeiro lugar, não a cor de suas peles, mas a iniquidade de suas obras. Como está escrito:

“Se, pois, a incircuncisão guardar os preceitos da Lei, porventura a incircuncisão não será reputada como circuncisão? E a incircuncisão que por natureza o é, se cumpre a Lei, não te julgará porventura a ti, que pela letra e circuncisão és transgressor da Lei? Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne. Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus”. (Romanos 2:26-29)

E também:

“O SENHOR ama as portas de Sião, mais do que todas as habitações de Jacó. Coisas gloriosas se dizem de ti, ó cidade de Deus. Selá. Farei menção de Raabe e de Babilônia àqueles que me conhecem: eis que da Filístia, e de Tiro, e da Etiópia, se dirá: Este homem nasceu ali. E de Sião se dirá: Este e aquele homem nasceram ali; e o mesmo Altíssimo a estabelecerá. O SENHOR contará na descrição dos povos que este homem nasceu ali. Selá”. (Salmo 87:2-6)

Anúncios