IsaíasDEUS AINDA ENVIA PROFETAS?
Por Frank Brito

“Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra”. (II Timóteo 3:16-17)

“Disse-lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. Respondeu ele: Não! pai Abraão; mas, se alguém dentre os mortos for ter com eles, hão de se arrepender. Abraão, porém, lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos”. (Lucas 16:29-31)

Parte IParte IIParte III – Parte IV

A AUTORIDADE DOS PROFETAS E A AUTORIDADE DAS ESCRITURAS

Como foi argumentado na primeira parte deste estudo, as palavras dos verdadeiros profetas são a própria Palavra de Deus – inerrante e infalível. Sendo assim, qualquer um que não obedece as palavras do profeta peca gravemente e prestará contas a Deus (Dt 18:18). Por isso está escrito:

Crede nos seus profetas, e sereis bem sucedidos“. (II Crônicas 20:20)

Na parábola do rico e do pobre Lázaro, Jesus chegou a avisar que a família do rico teria que obedecer as palavras dos profetas, que era a Palavra de Deus, para que fosse salva: “Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos”. (Lc 16:29). Mas como é que a família do rico poderia ter Moisés e os profetas para ouvir se Moisés e os profetas não viveram todos na mesma época de forma que pudessem ser ouvidos juntos? A resposta é que Moisés e os profetas, apesar de mortos, continuam a ser ouvidos por meio de seus escritos. Como escreveu Paulo, “até o dia de hoje… Moisés é lido” (II Co 3:15). Como disse também Tiago, “Porque Moisés, desde tempos antigos, tem em cada cidade homens que o preguem, e cada sábado é lido nas sinagogas” (Atos 15:21).

Essa é a chave para entender a relação entre a autoridade dos profetas e a autoridade das Escrituras. A autoridade das Escrituras é uma extensão da autoridade concedida por Deus aos profetas. Por que Isaías devere ser ouvido junto com Moisés e os demais profetas? Porque, como foi demonstrado na primeira parte deste estudo, a revelação dos profetas não são nada menos que a Palavra de Deus – inerrante e infalível – e as Escrituras são simplesmente o meio “divinamente inspirado” (II Tm 3:16) de preservar esta Palavra para gerações futuras. No caso dos judeus do primeiro século, por exemplo, Moisés e os antigos profetas já estavam mortos. Mas, como Jesus deixou, eles continuavam a falar pela Escritura divinamente inspirada:

“Não penseis que eu vos hei de acusar perante o Pai. Há um que vos acusa, Moisés, em quem vós esperais. Pois se crêsseis em Moisés, creríeis em mim; porque de mim ele escreveu. Mas, se não credes nos seus escritos, como crereis nas minhas palavras?” (João 5:45-47)

Aqui Jesus deixou claro que a autoridade dos profetas e a autoridade de seus escritos é a mesma. Crer “em Moisés” e crer “nos seus escritos” é a mesma coisa. Os oráculos de Moisés, de Isaías ou de Jeremias não passaram a ter autoridade somente depois que foram escritos em seus respectivos livros. Desde que “veio a mim a Palavra do Senhor, dizendo: Vai, e clama aos ouvidos de Jerusalém…” (Jer 2:1-2), seu clamor aos ouvidos do povo já era a Palavra de Deus em sua boca (Dt 18:18) tanto quanto o livro que temos agora em mãos com este mesmo clamor registrado por escrito. As palavras dos profetas era a Palavra de Deus e a Bíblia é a Palavra de Deus porque a Bíblia é o registro divinamente inspirado da mesma Palavra que eles receberam.

É por isso que Paulo ensinou que a Igreja está edificada “sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra da esquina” (Ef 2:20). O “fundamento dos apóstolos e dos profetas” é a Palavra de Deus, revelada e transmitida por meio dos apóstolos e profetas.

Quando entendemos que a Bíblia é a Palavra de Deus porque a Bíblia é o registro divinamente inspirado da mesma Palavra que os apóstolos e profetas receberam, se torna evidente que se ainda existem apóstolos ou profetas modernos, então a Bíblia não é a única Palavra de Deus. Se ainda existem profetas modernos, então as palavras destes profetas tem a mesma autoridade que a Bíblia porque suas palavras também são a Palavra de Deus.

Isso nos nos leva a pergunta do título deste estudo: Deus Ainda Envia Profetas?

Parte IParte IIParte III – Parte IV

Anúncios